“O Plantador traz consigo uma suave diferença comparado aos grandes artistas: para ele a poesia jamais acaba em um planeta que precisa cada vez mais do replantio e do cuidado de suas árvores.”

Publicado originalmente no Jornal O.News

A Zona Leste de São Paulo é a região que concentra o maior número de habitantes da cidade. De acordo com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados de São Paulo (SEADE) em relatório de janeiro de 2020, 35% da população da capital paulista reside na região, são mais de 4 milhões de pessoas entre jovens, adultos e idosos. A Zona Leste também é uma das que mais sofre as consequências da Pandemia de Covid 19 na capital.

E é ali que está localizado o primeiro Parque de floresta Linear de São Paulo. São mais de três quilômetros de floresta ao longo do córrego Tiquatira entre as principais avenidas e ruas do bairro e, por isso, o Parque recebeu o nome de Parque Linear Tiquatira entregando ainda, homenagem à Wener Eugênio Zulauf que foi um engenheiro civil e sanitarista considerado um grande idealista, consultor e gestor público. Foi o primeiro secretário municipal da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo, idealizador da Diretoria de Tecnologia de Resíduos Sólidos, e que em 1976 já lutava pela despoluição do rio Tietê, além de propor medidas de controle da qualidade do ar e uso racional das fontes hídricas. Foi um dos primeiros a alertar a sociedade paulistana, dizendo que o desperdício e a falta de investimentos levariam à crise de
abastecimento de água na cidade de São Paulo.

Apesar de ter sido planejado e iniciado em 2003, o Parque Tiquatira foi oficializado por decreto em 13 de agosto de 2008 pela subprefeitura do bairro da Penha. É o primeiro exemplo da cidade de São Paulo em que um parque inteiro linear foi construído por reflorestamento pelas mãos do homem. Pelas mãos de um único homem como veremos a seguir.

O tamanho do parque

320 mil metros quadrados de plantio em plena cidade de São Paulo em 14 anos de missão.

O Plantador de Árvores

Nossa redação se dirigiu ao Parque Tiquatira em uma manhã de quinta feira a convite de um homem de fala entoada de grande força e de uma doçura encantadora no olhar, como um educador que discorre sobre suas disciplinas com imensa propriedade, ele é um construtor de florestas, um Plantador. Parece mais com um poeta que, com a facilidade da criação dos seus versos traça um caminho livre de obstáculos até a poesia final.

O Plantador traz consigo uma suave diferença comparado aos grandes artistas: para ele a poesia jamais acaba em um planeta que precisa cada vez mais do replantio e do cuidado de suas árvores.

Executivo administrador de empresas, gerente comercial de uma grande indústria de alimentos orgânicos no Brasil, esposo, pai e avô dedicado à família, Helio da Silva mora na Penha há 58 anos. Nós entrevistamos Helio caminhando com ele pelo parque, o que nos garantiu uma aventura a parte.

Cidadão querido pela comunidade éramos parados para um cumprimento ou uma boa conversa várias vezes e no semblante dos vizinhos que conhecem bem a história de luta do Helio como Plantador e guardião da Floresta do Tiquatira, há uma espécie de gratidão e parceria veladas que entregam ainda mais beleza e força para essa história. Ao longo da caminhada ele foi nos apresentando cada uma das árvores, nos ensinando um pouco sobre cada espécie e nos apontando o tempo em que elas estão plantadas ali. Existem as árvores avós, árvores pais, filhas e árvores netas, tudo minimamente planejado por ele como conta agora, em uma entrevista exclusiva

Um Parque inteiro pelas mãos de um único homem

Jornal Onews: Onde tudo começou?

Sr. Helio da Silva: Plantar árvores é a minha missão. Antes de ser o Parque Tiquatira tínhamos uma área muito degradada, com muito lixo, sem árvore alguma, um local usado por usuários de drogas. Passava pela área diariamente e queria transformar esse lugar. Com muito estudo descobri que no passado este trecho era uma extensão da Mata Atlântica o que me garantia que se eu plantasse árvores nativas o solo reconheceria e em pouco tempo teríamos uma floresta novamente. Comprei mudas nativas da Mata Atlântica e comecei a plantar em 2003, nunca mais parei.

Jornal Onews: Como o Senhor define uma árvore e o papel que ela tem em nossa vida e no meio ambiente?

Na minha concepção árvores são seres vivos, inteligentes que se comunicam entre si, pelo contato entre as raízes e até pelo contato físico. Elas têm papel fundamental ao nos fornecerem ar mais puro, flores, ao atraírem pássaros e equilibrarem o clima do planeta. No meio ambiente são generosas, fraternas e amenizam várias doenças dentre as quais a depressão. Eu acho que os principais médicos como terapeutas, psicólogos e psiquiatras estão no meio da floresta, estão nas árvores.

Jornal Onews: Quando seus netos nasceram o Senhor se dedicou a determinados plantios em homenagem àqueles momentos, como foi?

Na realidade com o nascimento dos meus netos, eu quis deixar uma homenagem não só a eles mas à todas as crianças. Eu quis inspirá-los a fazerem o mesmo quando crescerem. 

Jornal Onews: Qual é o papel das crianças no processo de plantio de árvores pela cidade?

As crianças estarão aqui quando partirmos e vão tomar conta de tudo. Elas precisam ter noção dos benefícios de uma árvore.

É importante que as crianças saibam quais são estes benefícios, qual a espécie, onde plantar e como projetar esta árvore daqui a 10, 20, 30, 100, 200 anos. Eles devem criar uma história bonita em torno de uma árvore.

Jornal Onews: Qual é o papel das escolas e da comunidade de pais e professores?

As escolas são fundamentais para incentivar o plantio de espécies certas nos lugares certos.

As escolas, comunidades e professores, são o fio condutor para o reflorestamento. Plantar árvore é questão de saúde pública e deveria entrar no curriculum das escolas. Não adianta ficarmos combatendo as consequências, se constroem hospitais, unidades de saúde, quando as causas estão todas aqui atrás. As árvores são uma questão de saúde pública e o reflorestamento e o cuidado com as árvores deveriam entrar no curriculum das escolas. Além de uma biblioteca que eu pretendo criar também como projeto eu gostaria de criar uma Fundação chamada “Cuidadores de Árvores”. Nós temos Fundações Cuidadoras de idosos e de animais, e as árvores? Quem cuida? Vem a resposta: Ninguém! As árvores adoecem e precisam de tratamento pois são seres vivos como nós, mas ninguém se importa com as árvores. Eu quero criar uma Fundação e colocar estudantes de agronomia e biólogos para fazerem residência. Residência junto às árvores, aos parques e às florestas. Os médicos não fazem residência nos hospitais? Estes biólogos e agrônomos fariam residência também.

Jornal Onews: Como podemos multiplicar o plantio de árvores pela cidade? Qual é o primeiro passo?

Podemos multiplicar o plantio de árvore por toda a cidade, mas as subprefeituras, secretarias do Verde e Meio Ambiente têm que se engajar, elencando ruas, praças, margens de rio etc. O primeiro passo, aliás, a grande jornada sempre começa com o primeiro passo. No caso do plantio começa em escolhermos o local certo para a espécie certa. Devemos pressionar diuturnamente nossas autoridades responsáveis por isso. Árvore é saúde, árvore é tudo.

Jornal Onews: Qual é o seu Legado?

Em 31 de dezembro de 2020 completei o plantio de 32.900 árvores, isso desde 2003. Vou completar 50 mil deixando um legado de alegria, generosidade, um bairro mais verde e alegre. Dia destes visitei um Jequitibá na cidade de Pirassununga, este Jequitibá tem mais de 1500 anos, fiquei imaginando quem plantou. Alguém plantou. Imagine se a gente reflorestar agora, as crianças, nossos queridos que vão chegar daqui a 100, 200, 500 ou mil anos, irão ver essas árvores. Plantei neste bairro mais de 800 Jequitibás que tem uma vida muito longa.

Jornal Onews: O Senhor precisa de ajuda atualmente? Sim, preciso de novas áreas para plantar. Preciso que a prefeitura ceda todos os parques lineares da cidade de São Paulo para eu plantar e criar vida nestes parques que na maioria estão abandonados, tristes, esperando socorro, esperando as árvores. Todas as pessoas físicas e comunidades podem fazer reflorestamento e depois cuidar. As pessoas jurídicas fazem por outros interesses, mas as físicas fazem com o coração, fazem por amor. É o que eu fiz no Tiquatira e esse é o sucesso, não é? Essas áreas e parques lineares de São Paulo foram criados recentemente, mas foram abandonados. Depois de 5 anos que eu comecei a plantar criou-se o primeiro parque linear da cidade de São Paulo. Hoje já são 23 mas totalmente abandonados.

Desde 23/11/2003 foram plantadas 32.936 árvores abrangendo mais de 150 espécies da Mata Atlântica.

No ano 2020 foram plantadas 3.011 árvores no Parque Tiquatira e região Leste de SP.

O Plantador de Árvores deseja plantar 50.000 árvores.

Antes, janeiro de 2007

Depois, janeiro de 2021

6 motivos para plantar uma árvore

Ar condicionado natural – Ela regula a temperatura e o clima do nosso planeta
Proteção do solo – Ela evita a erosão e o desgaste do solo
Protetora natural – Ela traz sombra e protege contra ventos e poluição sonora
Ciclo da água – As raízes retém a água da chuva, evitando secas e inundações
Preserva a fauna – Habitat natural, é a fonte de abrigo e alimentos dos animais
Reduz a contaminação – As folhas retém partículas de pó, filtrando o ar que respiramos

Educadores Públicos em sala de aula durante palestra de Helio, o Plantador de Árvores

A mensagem do Plantador para a sociedade

Plante uma árvore e conviva com ela, fale com ela de vez em quando, o Universo agradece. Elas são generosas, amigas e fraternas, geram ar puro, sombras, frutos, retém 40 % das chuvas, atraem pássaros etc., etc. E um detalhe: fazem tudo isso de graça. Não cobram nada.

Olha a generosidade de uma árvore! As crianças estarão aqui quando formos embora, elas tomarão conta e nós temos que dar o start nestas crianças. Elas estão com um botão lá no off e nós temos que apertar o play, apertar o on nestas crianças. O play são palestras para as crianças. Eu gosto muito de fazer palestras principalmente para as crianças da zona leste que é uma área carente, quase meia São Paulo mora na zona leste, carente de tudo: em infraestrutura, em amor, em autoestima, todos os rios poluídos, enfim, este é o legado que eu gostaria de deixar. Uma história não virtual, não como desenho animado, mas como história real, fidedigna. É possível fazer, viu?! Eu consegui fazer tudo isso e vou fazer muito mais pelo motivo de que em primeiro lugar eu mudei o Helio, quando você muda a você mesmo, pode mudar tudo inclusive o entorno. São muitos os desafios, mas plantar árvore é missão, não é hobby. Eu encarei como missão.”

Helio finaliza convidando:

Vamos lá no Parque, vamos prosear por lá, vou te apresentar umas árvores. Elas vão gostar de conhecer você, por que elas vão gostar? Porque eu vi que você está demonstrando interesse no tema e elas sentem isso. Vá lá! Se for o caso você vai plantar umas duas ou três árvores lá comigo. Você vai plantar e numa delas, pode ser um Jequitibá eu vou colocar o seu nome. Nós temos realmente que fazer a diferença, estes dias eu estava fazendo uma palestra em algum lugar e eu falei: – O que vale mais? Um apartamento de 3 milhões de dólares ou um pé de Jequitibá de mil anos? – Se a cabeça responder, vai dizer que é o apartamento de 3 milhões de dólares, mas se o coração responder é o Jequitibá de mais de mil anos. Uma criança prefere o pé de Jequitibá, um adulto talvez o apartamento e são estes valores que nós temos que mudar. Os construtores precisam construir obedecendo as regras, mas também colocando o coração no entorno do empreendimento e é isso que teremos que fazer, nós temos que contaminar, fazer aglomeração de princípios e generosidade, essa é a melhor aglomeração que podemos fazer e para isso não precisamos estar juntos fisicamente, basta estarmos juntos espiritualmente.

O herói de muita gente, o dia em que o Plantador de Árvores ganhou 1 milhão de reais

Helio nos contou que certa vez o chamaram para ver uma pintura na parede de um estabelecimento na comunidade da Penha, em frente ao Parque. Ao chegar no local se deparou com uma obra de arte envolvendo sua imagem e árvores. Ao perguntar quem havia pintado aquela preciosidade foi indicado a procurar o artista local. Helio foi até a casa do artista e lhe perguntou porque havia pintado aquela obra. O artista respondeu que havia pintado o seu Herói. Ambos emocionados se tornaram amigos e Helio segue contando que este foi o dia em que ele ganhou 1 milhão de reais. O mesmo tratamento como herói ele nos conta que recebeu das crianças do ensino fundamental da escola pública onde também plantou árvores.

A nossa Saúde e a Floresta

A vegetação que Helio plantou no Parque Tiquatira é composta por áreas ajardinadas e arborizadas e bosques heterogêneos. Espécies diversas como araribá-rosa, aroeira-mansa, aroeira-salsa, bambu-imperial, cedro, cedro-de-bussaco, chapéu-de-sol, córdia-africana, figueira-benjamim, guapuruvu, ipê-de-el-salvador, mutambo, paineira, palmeira-imperial, entre outras. Já foram registradas 166 espécies vasculares, das quais estão ameaçadas de extinção: cambucá, cedro, pau-brasil e pinheiro-do-paraná.

Foram observadas 45 espécies de aves, incluindo três espécies endêmicas da Mata Atlântica, periquito-rico, teque-teque e tiê-preto. Entre as aves aquáticas figuram o irerê, marreca-cabocla, graça-branca-grande e garça-branca-pequena.

Também frequentam o Parque o tuim, o periquitão, a maracanã-pequena e o papagaio.

Chama a atenção entre os rapinantes o imponente gavião-de-rabo-branco. Ao menos dois pássaros visitantes de primavera/verão, o suiriri e a tesourinha, foram registrados.

Toda essa vegetação disponível gratuitamente no Parque Tiquatira para todos pode prevenir muitas das doenças do mundo moderno como estresse, ansiedade, pânico, depressão e obesidade.

Simplesmente caminhar pelo Parque, sentar-se para ler um livro a sombra de um Jequitibá rosa ou colaborar como voluntário do Sr. Helio nas horas livres de finais de semana, somado a uma alimentação orgânica na quantidade que o corpo precisa sem exageros, melhora a qualidade de vida de todo cidadão, em todos os aspectos: físico, mental/emocional e espiritual.

O contato direto com as árvores na floresta urbana produz um relaxamento imediato para o corpo gerando bem estar. Os cinco sentidos experimentados pelo contato com essa natureza têm o poder de acalmar e prevenir inúmeros males. Em pouco tempo de contato haverá um revitalizar do corpo, da mente e do espírito, e tudo isso sem custo financeiro quando se trata de um parque urbano próximo como o Tiquatira para quem está na Zona Leste de São Paulo.

Quer conhecer a história completa do Sr. Helio e do Parque Tiquatira? Acesse: http://oplantadordearvores.blogspot.com/

Kátia Bagnarelli
Redatora e Editora do Jornal O.news

Compartilhar

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook