“Com mais acesso à informação e conteúdos qualificados sobre o assunto, de alguns anos pra cá as pessoas têm buscado por modos de vida mais saudáveis e sustentáveis e isso tem relação, entre outros aspectos, com o consumo de produtos orgânicos.”

Segundo pesquisa que mapeou o consumo em 2021, a saúde é o principal motivo que leva as pessoas a consumirem orgânicos.

A produção de produtos orgânicos no Brasil vem conquistando cada vez mais espaço na engrenagem produtiva da economia. Mais produção e oferta para atender a uma forte demanda. Sim, os brasileiros estão consumindo mais alimentos de origem orgânica. Em 2021, o número de consumidores de orgânicos no país cresceu 63%, é o que identificou a pesquisa “Panorama do consumo de orgânicos no Brasil”, realizada pela Brain Inteligência Estratégica para a Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), com público de todas as regiões brasileiras. A verificação no aumento de consumidores é parametrizada pelas pesquisas realizadas em 2019 e a atual. Tudo indica que se trata de novos consumidores e o contexto da pandemia pode ter favorecido o crescimento. Mas que fatores contribuíram para influenciar no aumento do consumo de produtos orgânicos? 

Com mais acesso à informação e conteúdos qualificados sobre o assunto, de alguns anos pra cá as pessoas têm buscado por modos de vida mais saudáveis e sustentáveis e isso tem relação, entre outros aspectos, com o consumo de produtos orgânicos. A pesquisa identificou que a “saúde” é o principal motivo que leva as pessoas a consumirem produtos de origem orgânica, 47% dos entrevistados disseram que consomem para melhorar a saúde.

Segundo Cobi Cruz, diretor executivo da Organis, “a busca por uma alimentação que ajude a manter e a melhorar a saúde vem crescendo na consciência do consumidor. Os orgânicos são lembrados quase como sinônimos de alimentos saudáveis. Depende de nós costurar essas duas pontas, ficando cada vez mais próximos e acessíveis ao público. Trata-se de um nicho muito competitivo, que precisa ser constantemente trabalhado, em bases profissionais.” 

Cardápio de produtos

Ainda que bastante associado pelo público em geral a hortifrutis (frutas, legumes e verduras) do dia a dia, o cardápio de produtos orgânicos é bem mais amplo. Hoje em dia, os produtores entregam ao cliente, entre outros produtos, açúcar, azeite, café, laticínios, carnes e vinhos; isso pra ficar somente na prateleira dos alimentos, pois há produtos orgânicos que não são alimentícios como de higiene pessoal, cosméticos e limpeza, chegando a roupas, calçados e alimentos pets. 

Esta gama de novos produtos – uns mais conhecidos e consumidos que outros –, pode ter contribuído também para o crescimento do público consumidor, conforme identificado na pesquisa. No entanto, o estudo revelou que os hortifrutis são ainda os mais consumidos com 75%, seguido dos grãos com 12% e na terceira posição os cereais com 10%

De acordo com Marcos Kahtalian, sócio-diretor da Brain e responsável técnico pela pesquisa, a variedade de produtos torna o orgânico cada vez mais conhecido. “Esta diversidade coloca o orgânico no centro das atenções, fortalecendo a relação com o público que já é consumidor e despertando o interesse dos não consumidores em saber mais sobre produtos orgânicos” e acrescenta: “chegar ao orgânico pelos hortifrutis, como demonstrou a pesquisa, ainda é a via principal, mas aos poucos outros itens do cardápio receberão maior atenção do público”, diz. 

Onde comprar

Hoje em dia, os produtos orgânicos podem ser encontrados em diversos espaços: lojas específicas, supermercados e feiras livres; característica que também pode impulsionar o aumento de consumidores. 

A localização ou disposição do produto no espaço de venda também é um item que direciona o olhar do público na hora de comprar. O estudo avaliou que 84% dos entrevistados preferem que os produtos fiquem dispostos em ambientes específicos, como corredores e sessões.

Consumidores dispostos a pagar mais

Com o aumento do número de consumidores de produtos orgânicos no Brasil, segundo revelou a pesquisa, o público consumidor também está disposto a abrir a carteira e pagar mais pelos produtos. Esse foi um indicador do estudo, segundo o qual os consumidores podem chegar a pagar até 19% a mais, em média, nos produtos orgânicos quando comparado ao consumo dos não orgânicos. 

A prateleira dos orgânicos normalmente é associada a produtos de maior qualidade e com benefícios reais à saúde das pessoas. Aliás, este foi o principal motivo que levou ao aumento do consumo de produtos orgânicos no Brasil em 2021. Aliado à qualidade, o custo de produção é um componente que também acaba elevando o preço final, e o consumidor identifica esta característica.  

Por isso, 71% dos consumidores entrevistados disseram que é justificável o preço do orgânico ser um pouco mais elevado em relação ao produto tradicional. O motivo do custo de produção foi apontado por aqueles que consumiram e os que não consumiram orgânicos, o que demonstra reconhecimento e valorização dos produtos orgânicos.

Márcio Norberto
Jornalista – Analista e produtor de conteúdo da Brain Inteligência Estratégica

Compartilhar

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook