Artigos e Notícias

O papel da indústria alimentícia na produção orgânica

Nosso país possui, literalmente, um terreno vasto e fértil para o desenvolvimento de produtos e tecnologias orgânicas. Dono da maior biodiversidade do planeta, o Brasil abriga mais de 20% das espécies da flora e da fauna terrestre, que, muitas vezes, são exploradas de forma tradicional e com baixo impacto, porém sem o devido reconhecimento da indústria alimentícia.

No entanto, ao que tudo indica, esse cenário pode mudar com a tendência mundial dos chamados plant based products, baseada em produtos naturais, de origem vegetal, minimamente processados, integrais, coloridos, variados e, sempre que possível, produzidos de forma orgânica.

Aliás, essa é uma das grandes oportunidades para as indústrias de alimentos que apostam em soluções a partir da biodiversidade, pois esse é o momento de mostrar que é possível fornecer produtos naturais cheio de sabor e nutricionalmente ricos. Afinal, sem a diversidade de abastecimento, a indústria perde a oportunidade de inovar.

Outra consequência desse processo é que, ao aplicar os sistemas produtivos orgânicos a esses ingredientes, é possível impulsionar o empreendedorismo de comunidades no campo, fomentar a manutenção das florestas em pé e, até mesmo, promover o reflorestamento. Dessa forma, conseguimos gerar riqueza em diversos sentidos, com eficiência, organização, garantia da rastreabilidade total e a conexão do campo com o consumidor ávido por produtos naturais, saborosos e saudáveis.

Vale destacar ainda que, para garantir a força dos produtos de origem natural, isentos de insumos químicos e de Organismos Geneticamente Modificado (OGM),  é preciso comprovar a procedência orgânica e os impactos positivos causados em toda a cadeia, por meio de certificações e selos. A indústria necessita demonstrar que ela é um vetor de mudanças positivas em relação ao consumo e a produção desses produtos.

Dessa maneira, a comunicação sobre o significado do orgânico se faz necessária e deve ser mais profunda do que nunca. Resumindo, cada vez mais, as indústrias do setor alimentício precisam considerar os fatores socioambientais em suas estratégias de atuação e, principalmente, na cadeia de suprimentos, com soluções inovadoras, viabilidade econômica e com a compreensão da sua importância no movimento da produção e no consumo de orgânicos.

Thaís Hiramoto

Especialista em sustentabilidade da Concepta Ingredients, associada ao Organis, com foco nas indústrias de alimentos, bebidas, nutrição animal e
farmacêutica veterinária.

thais.hiramoto@conceptaingredients.com

Os artigos assinados são de responsabilidade dos seus respectivos autores e não refletem necessariamente a opinião do Organis.